/CEO da Vale ignorou alerta em minas antes de desastre em Brumadinho, diz WSJ

CEO da Vale ignorou alerta em minas antes de desastre em Brumadinho, diz WSJ


(Valter Campanato/Agência Brasil)

Graduados executivos da Vale (VALE3) receberam um e-mail anônimo com advertências sobre a segurança das barragens da mineradora duas semanas antes do desastre de Brumadinho. O texto levou o executivo-chefe da empresa a buscar a identidade do autor e chamar essa pessoa de “um câncer”, mostra um documento da polícia. Autoridades afirmam que têm avaliado a resposta do então executivo-chefe da Vale, Fabio Schvartsman, no momento em que investigam se uma cultura de retaliação na companhia contribuiu para o colapso da mina em 25 de janeiro em Brumadinho que deixou 270 mortos, no mais mortífero desastre desse tipo na mineração em mais de 50 anos.

O e-mail de 9 de janeiro foi enviado a Schvartsman, ao atual executivo-chefe, Eduardo Bartolomeo, ao diretor financeiro, Luciano Siani Pires, e a outros executivos. O texto dizia que as barragens da companhia estavam “em seu limite”, de acordo com um resumo de 15 páginas do recente interrogatório de Schvartsman pela polícia feito por policiais e promotores, ao qual o Wall Street Journal teve acesso.

Um porta-voz afirmou que o e-mail era genérico e não trazia evidências, além de negar com veemência uma cultura de retaliação na companhia. Diretores-executivos da Vale nunca haviam tido conhecimento sobre um risco crítico ou iminente na barragem antes de seu colapso, afirmou o porta-voz.

O advogado de Schvartsman disse que seu cliente sempre atuou quando era CEO diante de reclamações quando elas incluíam informações concretas, dizendo que o e-mail não continha fatos específicos. Bartolomeo e Pires não foram encontrados para comentar.

O e-mail anônimo, intitulado “A Verdade”, foi parcialmente reproduzido no documento policial. Ele não menciona a estrutura que ruiu em Brumadinho cerca de duas semanas depois, segundo o resumo. “Nós estamos enfrentando grandes desafios pela frente, nossas operações não têm o nível mínimo adequado de investimento, estamos com falta de pessoal nas áreas de operação, manutenção e engenharia e eles são mal remunerados…o equipamento está quebrando, as barragens estão no seu limite”, afirmou a pessoa na mensagem.

No domingo seguinte após receber o e-mail, Schvartsman – que deixou o posto em março – enviou e-mails a três colegas, determinando que descobrissem quem havia escrito a mensagem. Ele queria “olhar olho no olho” do autor, disse a investigadores. Schvartsman não determinou uma investigação sobre problemas citados no e-mail. Ele disse a autoridades que o autor nunca foi identificado.

Questionado por autoridades sobre sua resposta, Schvartsman disse acreditar que o e-mail anônimo seria de um empregado descontente com sua política para acabar com uma cultura corporativa que segundo ele era dividida em feudos. O advogado dele também afirmou que dois outros diretores da Vale disseram que o e-mail continha inconsistências e acreditavam que o remetente havia agido de má-fé.

Em entrevistas coletivas após a tragédia, Schvartsman disse que os problemas técnicos relacionados às barragens eram responsabilidade de empregados de nível mais baixo e que todas as informações que havia recebido mostravam que elas seriam seguras. Mas investigadores do caso suspeitam que o comando da companhia deliberadamente se blindava de informações que poderiam incriminá-los para evitar ser responsabilizados, com práticas de táticas de retaliação e intimidação em um setor que a companhia dominava.

Promotores preparam acusações criminais contra funcionários da Vale no caso, que poderiam incluir executivos de alto nível, afirmaram autoridades ao Journal. Fonte: Dow Jones Newswires.

Original Source