/Índice de ADRs brasileiros fecha em alta de 1,8% em dia de marca histórica das bolsas dos EUA

Índice de ADRs brasileiros fecha em alta de 1,8% em dia de marca histórica das bolsas dos EUA


SÃO PAULO – O principal índice de ADRs (na prática, as ações de empresas de fora dos EUA negociadas em Nova York) do Brasil fechou em alta nesta sexta-feira (15) na Bolsa de Valores Nova York (NYSE) seguindo o forte otimismo do mercado americano, que levou o Dow Jones a atingir pela primeira vez na história o patamar de 28 mil pontos.

O principal driver dos mercados foi a fala do conselheiro econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, de que a China e os Estados Unidos estão próximos de chegar a um acordo comercial. Também trouxe otimismo ao investidor o dado das vendas do varejo nos EUA, que cresceram 0,3% em outubro, depois de uma queda de 0,3% no mês anterior. A expectativa mediana dos economistas era de uma expansão de 0,2% segundo apurou o consenso Bloomberg.

O índice Dow Jones Brazil Titans 20 ADR subiu 1,78% a 22.809 pontos. Já o ETF EWZ iShares MSCI Brazil Capped avançou 1,58% a US$ 43,15.

Entre as blue chips brasileiras, o ADR da Vale (VALE3) foi o de melhor desempenho, subindo 2,32% a US$ 11,46, enquanto Petrobras (PETR3; PETR4) teve alta de 2,18%, Itaú Unibanco (ITUB4) registrou ganhos de 1,36% e Bradesco (BBDC3; BBDC4) valorizou 1,39%.

Hoje, a B3 está fechada por conta do feriado da Proclamação da República no Brasil, mas as bolsas norte-americanas estão funcionando. É importante acompanhar o desempenho dos ADRs nos mercados internacionais, pois qualquer movimento desta sexta deve ser refletido na abertura do pregão da segunda-feira (18) para que não haja descompasso entre os preços das ações negociadas no Brasil e nos EUA.

Os índices americanos Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq terminaram a sessão em altas entre 0,7% e 0,8%, renovando máximas históricas.

Sobre a guerra comercial, Kudlow disse que as negociações estavam chegando próximas a um consenso, mas que o presidente Donald Trump ainda não estava pronto para assinar o acordo. “Trump gosta do que vê, mas não está pronto para assinar um compromisso para a fase 1, ainda não fechamos o acordo”, avisou.

Apesar do bom número das vendas do varejo, nem todos os indicadores americanos foram bem. O índice Empire State do Federal Reserve de NY veio abaixo das estimativas, mostrando uma leitura de 2,9 pontos em novembro, ante projeções de que iria atingir 5 pontos.

Já a produção industrial na maior economia do mundo caiu 0,8% em outubro, na maior retração desde maio de 2018. A expectativa de Wall Street era de uma queda de 0,5%. A utilização de capacidade da indústria caiu para 76,7% em outubro, seu menor nível em mais de dois anos.

Por fim, no radar, a Casa Branca divulgou hoje uma transcrição de um telefonema ocorrido em abril entre o presidente Donald Trump e o líder ucraniano Volodymyr Zelensky, que tinha acabado de vencer as eleições. O Partido Democrata abriu um processo de impeachment contra Trump baseado em uma conversa que o presidente teve em 25 de julho com Zelensky em que alegadamente pedia para o ucraniano investigar o democrata Joe Biden.

Na transcrição divulgada nesta sexta, Trump convida Zelensky para a Casa Branca e diz que os dois teriam muito a discutir. A conversa durou 16 minutos.

Ibovespa

Ontem o dia foi de ganhos na Bolsa, graças a dados positivos da economia brasileira e um desmentido em relação à notícia de que a China não aceita um valor fixo de importações de produtos agrícolas americanos para encerrar a guerra comercial. O Ibovespa teve alta de 0,47%, aos 106.556 pontos, com volume financeiro negociado de R$ 18 bilhões.

Já o dólar comercial subiu 0,16%, para R$ 4,1927 na compra e R$ 4,1934 na venda.

Quer investir com corretagem ZERO na Bolsa? Clique aqui e abra agora sua conta na Clear!

Original Source